Tag Archives: Narração

A sorte favorece aos audazes, desde que eles tenham um bom roteiro

16 abr

Como foi difícil escrever esse texto.

Fracasso de público e crítica. Não há meio termo. E para mim, é complicado especialmente esse filme porque  sou completamente apaixonada por Alexandre, o Grande. Alexandre era jovem, sonhador, ético, honrado, jamais foi derrotado em uma batalha e conquistou o mundo. Quase um Deus. Quase, porque ele era humano, muito humano. Só os humanos morrem de amor. Só os humanos fogem de si mesmos. Alexandre era totalmente broken. Como disse, humano, o humano mais próximo que chegou da divindade. Bom, a figura Alexandre não é o objetivo desse post, vou parar por aqui. O protagonista é o filme, Alexandre de Oliver Stone.

Ouvi falar em algum lugar que um roteiro bom pode ser estragado por uma péssima direção, mas que eu roteiro péssimo jamais pode ser salvo por uma boa direção. Parecer presunção de roteirista, mas não é. E Alexandre é um excelente exemplo disso. A princípio eu achava que o fracasso de público vinha de um ponto que falarei depois, não falo qual para não estragar a surpresa, e eu até twittei que a principal falha de Alexandre era nós, como sociedade. Só que assistindo e reassistindo o filme umas boas vezes, vi que mesmo o mais leigo entende que tem algo errado, que a história não funciona. Pesquisei as críticas especializadas feitas, e não encontrei nada que se refira ao grande problema do filme, só batiam muito, estão certos, mas eu esperava mais, senhores críticos especializados que recebem para tal. Chega de enrolar. Não sei nem direito por onde começar, e sim, estou falando da apresentação, mas lá vamos nós. E terá spoiller, muito spoiller daqui em diante.

Não me incomoda o filme iniciar de forma não linear e nem a narração do Ptolomeu. Nesse comecinho, essas duas coisas não prejudicaram o drama, o problema delas vem depois. Problemas seríssimos. Alexandre é um herói. O público tem que comprá-lo como tal, senão você perde o personagem e aí já era. E ele é apresentado como um fraco. Vou ignorar a cena em que ele aparece pela primeira vez porque ele nem a protagoniza, é quase um elemento de cena. Ah, mas ela serve para mostrar a relação dele com os pais. Serve, mas eu a cortaria sem dó. A partir  daqui narração já começa a servir de muleta e ao mesmo tempo a pensar pelo público, e esses são os maiores erros que narração pode ter. Oliver Stone conseguiu fazer os dois, ai mesmo tempo. Ela rouba do público a experiência de perceber as coisas quando conta que Alexandre encontrou sua sanidade na amizade na cena em que ele aparece com Heféstion pela primeira vez. Durante o filme é muito evidente a função de Heféstion na vida de Alexandre, deixe o público entender sozinho e não precisa adiantar a informação também. A cena também serve para marcar alguns traços da personalidade de Alexandre, assim como a próxima, a com Aristóteles. Ela também funciona para explicar uma diferença cultural de alguns povos da Antiguidade e da nossa sociedade e eu entendo como necessária essa contextualização. Só na terceira cena o público vê que esse protagonista é de alguma forma especial. Alexandre, ainda criança, doma um cavalo que nenhum homem adulto conseguia. Eu iniciaria com essa cena. As outras duas podem vir muito bem depois e com certeza o púbico, de retinas virgens, compraria o personagem. A explicação da situação cultural que fiz mistério poderia se encaixar em outro take. Passam-se alguns anos e mudamos de ator, agora Alexandre é Colin Farrel, e já logo de cara, vemos um Alexandre, adulto, chorando no colo da mamãe e sendo manipulado pela mesma. A seguinte, no casamento do pai, ele ergue-se, desafia o mesmo, mas é expulso e chamado de bastardo. Mágoa. E então voltamos a Ptolomeu narrando uma parte que jamais deveria ter ficado para depois. O Rei Filipe foi assassinado e agora Alexandre era o Senhor da Macedônia. Como se não bastasse pular a maior mudança da vida do personagem, o vemos na cena seguinte comandando com autoridade e firmeza todos os generais de seu exército para uma guerra onde ele irá capturar o possível mandante do assassinato do pai e já na sequência, a batalha, onde Alexandre mostra toda sua força, liderança egrandeza. Esse é o inicio do segundo ato. Vamos com calma. A contagem das cenas vem a partir de Alexandre chegar a idade adulta.

01 – Ameaçado pelo novo casamento do pai, é manipulado pela mãe e chora no colo da mesma.

02 – Briga com o pai publicamente, ambos magoam-se, é chamado de bastardo e expulso do castelo por Filipe.

03 – Ptolomeu, 40 anos após a morte de Alexandre explica que Filipe foi assassinado e Alexandre agora era Rei e iria atrás do assassino do pai e de quebra, conquistaria a Pérsia.

04 – Alexandre, forte, comanda e planeja com autoridade, dando ordens a generais de seu exército. Generais que serviram a seu pai.

05 – A grandeza de Alexandre, aquele que fazia o impossível, aquele que jamais perdeu uma batalha.

Não dá para comprar que aquele menino, mesmo depois de adulto, que chorou no colo da mãe, foi renegado pelo pai com olhos lacrimejantes agora se tornou um homem tão forte depois do pai ser assassinado sem se entender como foi isso. O motivo de Alexandre ter mudado tanto só aparece no terceito ato, isso é um absurdo no sentido do drama. Por isso a narrativa não linear não funcionou, ela escondeu o essencial, o que o norteia o personagem por toda a sua vida. Oliver Stone sabe o porquê, eu também sei, sabemos porque conhecemos a história, o público não.  Retinas virgens, lembram-se? Erro fatal. Não entendo como alguém que leu esse roteiro deixou passar. Simplesmente não concebo que em Hollywood, em um filme com orçamento de quase 200 milhões de dólares um erro tão brutal tenha acontecido. Imperdoável, para público e crítica.

Antes de entrar no assunto delicado, apesar de não me sentir gabaritada para tal, não tem como deixar passar a batalha de Gaugamela. Fantástica, só isso. Cru, pesada, sanguinária. Uma direção primorosa e fotografia incrível. Melhor cena do filme. Desse e de outros como Gladiador, por exemplo. Nenhuma batalha foi tão épica como essa. Congrats, Oliver.

Quando assisti Alexandre pela primeira vez, no cinema, fiquei muito feliz e surpresa por terem preservado a relação Alexandre e Heféstion. Os dois eram amantes. Sempre foram. Heféstion foi o grande amor de Alexandre. Alexandre morreu de amor por Heféstion. Acho a história dos dois a mais bela e verdadeira história de amor que já existiu. Mas o quê, Alexandre, o Grande, era gay? Não, ele era bissexual, como todos os homens de sua época. Mas sim, ele preferia homens à mulheres. E aqui a explicação que Aristóteles deu na cena que citei. Para os Gregos, o excelência de um relação carnal e afetiva, vinha da troca de conhecimento e sabedoria. Na época, as mulheres não frequentavam escolas, vamos chamar assim. A relação perfeita entre prazer e a troca de conhecimento só poderia ser com outro homem. Relacionavam-se com  mulheres também, precisavam se reproduzir. Essa era a função da mulher. O amor? O verdadeiro amor não era para elas. E isso era totalmente normal. Assim como a pederastia.  Era normal o nobre menino grego ser iniciado pelo seu mestre.  Mas credo, eram todos gays? Que amorais… Lembremos que a nossa idéia de moral vem do Cristianismo, do pecado. Para eles, nada era pecado, era uma outra sociedade, não podemos julgá-la com a nossa ética. Sempre acreditei que o público odiou o filme por causa disso, e em parte pode ser que sim. Admitir um herói, forte, bravo, glorioso com uma relação homoafetiva? Não estamos preparados para isso. Bom, voltemos a trama.

O segundo ato se arrasta. E Alexandre que teve uma vida intensa, tem sua história contada de uma forma chata, longa, muito mais longa que seus 12 anos em guerra. A narração atrapalha mais vezes, a história não é bem construída… Os erros. Aqui há a mudança no personagem. Alexandre quanto mais vai para o Oriente, mais egoísta se torna, sua personalidade muda aos pouco e é representada pelas vestes e maquiagem que ele passa a usar e pelo afastamento de Heféstion, seu sempre norte, com o casamento. Gosto disso, um modo esperto de mostrar que o personagem perde sua raiz, sua essência. Bom, não mais que isso.

O início do terceiro ato é marcado por Alexandre assassinar, in persona, um dos seus mais antigos generais, Clito, homem de confiança de seu pai. Uma cena carregada que mais uma vez não se entende o motivo por causa da narração não linear. Depois de Clito ser assassinado e Alexandre com sangue nas mãos chorar e sofrer, conta-se que ele tinha na figura de Clito um pai. Depois isso é dado ao público. Errado, essa ligação tinha que ser construída durante o filme e não imposta em uma cena. Agora sim, a explicação do porquê Alexandre ter se tornado quem foi, a morte do pai e a conversa com a mãe. Só agora, no terceiro ato.

Chegamos ao fim, ao quase enlouquecimento de Alexandre. Sempre amado e seguido por seu exército, é contrariado e abandonado. O personagem virou um egoísta, só importa com seus sonhos e seus homens percebem. Ele os convence, através da força, a seguir com ele. O fato de seus comandantes terem perdido o respeito pelo seu Rei foi por causa do casamento com a Roxana, uma selvagem para eles. Porque Alexandre casou-se com ela? Ninguém sabe. Alexandre foi uma figura meio inexplicável. E nessa sequência foi plantado o final, o possível assassinato.

Não me incomoda a licença histórica da última batalha com Bucéfalo morto, Heféstion e Alexandre feridos. Isso não é um documentário e não perdeu-se em verdade, apenas otimizou-se o tempo.  Agora o resto é história. Heféstion morre, supostamente, envenenado e Alexandre enlouquece. Morreu de amor, lembram? Aqui fecha-se os mitos que cercaram e assombraram Alexandre por toda a vida. Os mitos que o pai falou a respeito no primeiro ato, numa cena linda. E isso foi incrível no roteiro, os mitos foram muito bem usados e colocados de forma bem sutil. Alexandre passa a não se cuidar, perde o tesão pela vida. E também, supostamente, é assassinado, 8 meses depois da morte do seu grande amor. Ou morre.  É complicado afirmar alguns fatos verídicos sobre Alexandre, todo o material que seus contemporâneos escreveram sobre ele foi perdido em Alexandria. Gosto da admissão final de Ptolomeu no assassinato. Foi amarrado o descontentamento dos que o assassinaram, fez sentido.

Os erros da narrativa não linear, não ela em si, mas os momentos que se escolheu para contar depois. Eram cenas essencias, não poderiam ser deixadas para o terceiro ato. Queria montar o filme de um modo diferente, tirasse as cenas da infância do começo, elas não fazem a menor falta, e as distribuisse durante os outros atos.  Um narrador que atrapalha, que é usado como muleta para suprir erros do roteiros. Esse é o grande perigo de uma narração, cair nessa saída, que é muito fácil e segura. E que seguramente irá acabar com seu filme.  Teimosia de Oliver Stone? Eu aposto que sim.  Nos extras, Oliver diz que tem esse roteiro há mais de 15 anos. Agora, imagina-só o apego desse cidadão. Imagine também você, script doctor, peitar Oliver Stone e dizer que seu amado roteiro tem sérios problemas e precisa ser reescrito. O roteiro que ele escreveu por 15 anos. Complicado. Mas não entendo como niguém fez isso. Ou como investiram tanto dinheiro. Dissessem não. Sem dúvida Oliver Stone foi muito audacioso ao mostrar Alexandre e Heféstion como amantes, e para mim, isso foi genial. A sorte favorece os audazes, como bem disse Virgílio, em Eneida, frase que abre o filme. Desde que eles tenham um bom roteiro.

É isso. Esse foi o filme que contou a história do maior homem que pisou na Terra. A história daquele que jamais perdeu uma batalha, aquele que não pilhava os conquistados, os respeitava, os incorporava ao seu povo os respeitando culturalmente. O primeiro que sonhou com a globalização. O que sonhou e foi guiado por seus sonhos. O que morreu de amor. O maior de todos os Alexandres em um filme muito, mas muito ruim. Um herói queimado por décadas para o cinema.